domingo, abril 02, 2006

Democracia no Futebol

Pois é, a democracia. Pelos vistos e segundo os portistas da nossa praça, quando se deu o 25 de Abril foi quando a democracia chegou ao futebol e voilá, o Porto começou a ganhar campeonatos. Antes isso havia um predomínio dos clubes de Lisboa protegidos pelo fascismo. Quando as condições começaram a ser iguais para todos o Porto ganha 15 campeonatos em 31 anos de Liberdade. Realmente uma democracia. Quão espartilhados não deveriam ser durante esses anos de ditadura para sendo uma equipa que ganha metade dos campeonatos que se disputam em liberdade tenham ganho 4 campeonatos em 40 anos de ditadura. Bendita e amada democracia que puseste um clube que nunca ganhava nada a ganhar quase tudo. Mas atenção, repare-se que também a democracia demorou algum tempo a chegar ao futebol. Teve reflexos logo no ano a seguir? Não. No outro? Também não. Foram precisos 4 campeonatos sem Estado Novo para o Porto ganhar um título que lhe fugia à 19 anos. Curioso é notar que é no ano a seguir a entrada de um senhor chamado Pinto da Costa para o departamento de Futebol que o Porto ganha o seu primeiro campeonato no pós-25 de Abril. Mas não interessa. Interessa é que com a chegada da liberdade o domínio deixa de estar nas mãos dos clubes lisboetas e passa a estar dividido por todos.
Estou a formular uma tese na qual sempre que o Porto tem uma equipa razoávelzinha ganha o campeonato. Claro que como qualquer tese também tem as suas falhas. Vamos atentar no ano passado por exemplo - o Porto o ano passado tinha o Seitaridis, o meio campo que tudo indica vai ser titular no Mundial Costinha e Maniche, o Nuno Valente, o Jorge Costa e muitos muitos outros. As únicas mais-valias deste ano são Lucho e Lisandro ( Adrianos, Mareks e porcarias não prestam para nada). Ou seja para mim, em termos de qualidade, o Porto do ano passado não anda muito longe deste. Contudo o ano passado foi dos anos de maior crise que o Porto conheceu e mesmo assim ainda deu para acabar em 2º. Nas provas europeias o ano passado chegou aos oitavos e este ano ficou em último no grupo. A diferença é que este ano está em 1º lugar isolado e o ano passado levava sovas do Nacional em casa. A explicação para isto é uma - o Porto estava em primeiro no campeonato quando um caso que já aí andava levou para prisão preventiva um árbitro de 1º categoria sob a acusação de ter beneficiado o Porto num jogo. Havia também no mesmo processo uma escuta telefónica com o Presidente do Porto a encomendar prostitutas para irem ter ao hotel aonde estava hospedada a equipa de arbitragem. A partir da divulgação desses factos e da prisão do alentejanito é que o Porto começou a ser "roubado". E ser "roubado" era dar cartões vermelhos ao McCarthy sempre que ele se lembrava de dar cotoveladas nas pessoas. Uma injustiça. Uma equipa daquelas recheada de talento e nem sequer o campeonato ganhou. Que diriam as equipas treinadas por António Oliveira e onde pontificavam talentos como Paulinho Santos, Domingos ou João Pinto, jogadores sempre desprezados pela comunicação social lisboeta.
Tornei-me adepto do Sporting quando o clube estava praí há 8 anos sem ganhar o campeonato e estive mais 10 sem ver nada. Sobrtevivi, eu e os outros. Agora o que eu quero ver é quando o xôr Jorge Nuno se retirar e o Porto naturalmente começar a enfrentar aquilo que os outros clubes suportam - presidentes incompetentes, dissidências à direcção, prejuízo nas arbitragens - e deixar de ganhar campeonatos, quantos anos sobreviverão os adeptos do Porto sem ganhar uma tacinha.
PS - o Sporting tem hoje uma consistência defensiva como eu confesso que nunca tinha visto ( no Sporting, claro está). Já fomos campeões e já tivemos grandes defesas mas como este ano nunca tinha visto. Isto claro está não é obra do acaso e se a príncipio não fui grande defensor da contratação de Paulo Bento dou hoje a mão à palmatória. Não são os anos nem o nível de treinador, são os resultados.